Mundo

Com 3 decisões de última hora de Trump, a vida do novo presidente dos EUA pode se complicar

Nos Estados Unidos, chama-se de "pato manco" (do inglês "lame duck") o presidente que está deixando o cargo durante o período de quase dois meses que vai da eleição de seu sucessor até sua posse efetiva.

O adjetivo “manco” refere-se à suposta pouca capacidade do presidente de saída de se “movimentar” politicamente nesse período. Mas, como em tantas outras ocasiões, o governo de Donald Trump rompeu com o protocolo.

Nas últimas semanas no poder, sua administração tomou decisões importantes sobre política externa que podem complicar os planos de Joe Biden, que toma posse como 46º presidente dos EUA nesta quarta-feira, 20 de janeiro.

Cuba e EUA retomaram relações em 2016© Getty Images Cuba e EUA retomaram relações em 2016

Confira abaixo alguns exemplos.

1. Cuba

Em 11 de janeiro, pouco mais de uma semana após a transferência do poder por Obama, o governo Trump fez um anúncio com repercussões importantes para a América Latina: colocou Cuba de volta na lista dos países que patrocinam o terrorismo.

“Com esta medida, mais uma vez responsabilizamos o governo de Cuba e enviamos uma mensagem clara: o regime de Castro deve acabar com seu apoio ao terrorismo internacional e à subversão da Justiça dos EUA”, disse o secretário de Estado, Mike Pompeo, em pronunciamento.

Para defender essa decisão, Pompeo apontou a recusa de Cuba em extraditar membros do Exército de Libertação Nacional da Colômbia (ELN) depois de um ataque a bomba em janeiro de 2019 em uma academia de polícia de Bogotá, no qual 22 pessoas morreram.

Além disso, falou sobre a aliança de Cuba com a Venezuela, onde os EUA promovem uma mudança de governo.

Em 2015, o ex-presidente Barack Obama havia retirado Cuba da mesma lista, da qual estava desde 1982, dando um passo fundamental na reaproximação entre os dois países que um ano depois resultaria na retomada das relações diplomáticas, ainda que com Trump, a postura dos EUA foi endurecida novamente.

Biden expressou sua vontade de melhorar as relações com a ilha, restabelecendo algum nível do compromisso iniciado com Obama — que inclui permitir que cubano-americanos visitem suas famílias e enviem dinheiro — mas essa medida pode ser retardada pelas mais recentes.

Para reverter a inclusão de Cuba na lista, por exemplo, o Departamento de Estado deve fazer uma revisão formal que pode levar meses , alertam analistas.

“Mudar essa designação leva tempo”, disse John Kavulich, presidente do Conselho Econômico e Comercial dos EUA-Cuba, à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC, depois que a última ação foi conhecida.

Kavulich também assinalou que para o governo Biden a conexão que Trump fez entre Cuba e Venezuela pode ser um problema.

Nicolás Maduro e Miguel Díaz Canel são dois bons aliados© Getty Images Nicolás Maduro e Miguel Díaz Canel são dois bons aliados

“O governo Trump conseguiu conectar Cuba com a Venezuela e o próximo governo Biden também o fez. Pode até haver pressão de congressistas para adicionar a Venezuela à lista em vez de remover Cuba”, disse ele.

2. China

Várias decisões sobre a China tomadas pelo governo de Trump que está deixando o cargo mais uma vez prejudicaram o relacionamento entre as duas potências.

A primeira delas ocorreu em 9 de janeiro, quando Pompeo anunciou o levantamento das restrições aos contatos entre diplomatas americanos e taiwaneses, rompendo com uma política mantida por décadas pela Casa Branca.

A China considera Taiwan como uma parte indiscutível de seu território e rotineiramente descreve o que considera uma “ilha desonesta” como a questão mais sensível em seus laços com os EUA.

Apesar de os EUA, como a maioria dos países do mundo, não manterem relações formais com Taiwan, o governo Trump tem intensificado suas ações de apoio à ilha, por meio da venda de armas ou por meio de legislação para ajudar Taipei a lidar com a pressão de Pequim.

Após quatro anos de profunda deterioração nas relações entre as duas potências mundiais, esse último movimento foi visto como uma tentativa do líder republicano de estabelecer uma linha dura contra a China antes de Biden assumir o cargo.

“O governo Biden ficará legitimamente infeliz com o fato de uma decisão política como essa ser tomada nos últimos dias de Trump”, disse Bonnie Glaser, uma das maiores especialistas na relação sino-americana nos EUA, em entrevista à agência de notícias Reuters.

Glaser, do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais de Washington, explicou que alguns exemplos das restrições que Pompeo retirou incluíam a proibição de funcionários taiwaneses de entrar no Departamento de Estado. Reuniões de alto nível com funcionários do governo americano tinham que ocorrer, portanto, fora dali, como em hotéis.

Um funcionário da equipe de transição de Biden observou que assim que o presidente eleito assumir o poder, ele continuará a apoiar “a resolução pacífica das questões entre os dois lados do Estreito (China-Taiwan) de acordo com os desejos e interesses da sociedade de Taiwan”.

Somado à decisão sobre Taiwan, houve outro golpe pesado dos EUA contra a China no último dia da Presidência sob Trump: o governo americano classificou as ações de Pequim contra os uigures (minoria étnica muçulmana) de Xinjiang como “genocídio” e “crimes contra a humanidade”, o que azedará ainda mais a relação entre os dois países.

A maioria da população do Iêmen vive em áreas sob controle Houthi© Reuters A maioria da população do Iêmen vive em áreas sob controle Houthi

3. Irã

O governo Trump também redobrou sua ofensiva contra o Irã nos últimos dias de sua presidência.

Em 12 de janeiro, Pompeo acusou o país persa de ser “o novo quartel-general” da Al Qaeda e de manter laços estreitos com o grupo extremista.

Pompeo não forneceu provas de suas acusações. Teerã chamou os americanos de “mentiras belicistas”.

Os comentários de Pompeo pouco antes de sua saída foram vistos como uma tentativa de aumentar a pressão sobre Teerã antes da chegada de Biden, que deve tentar retomar o acordo nuclear de 2015 entre o Irã e seis grandes potências, do qual Trump retirou os EUA em 2018.

Soma-se a isso há poucos dias o anúncio do Departamento de Estado de que declarará os rebeldes houthi no Iêmen como uma organização terrorista, uma medida que “está à espera há meses” e que teme agravar a crise humanitária no país, explicou a correspondente-chefe internacional da BBC, Lyse Doucet.

“Aliados dos EUA no Golfo apoiam essa medida, destinada a enviar uma mensagem dura ao Irã”, acrescentou.

Os houthis, que são apoiados pelo Irã, lutam desde 2015 contra uma coalizão liderada pelos sauditas no Iêmen, em uma guerra que desencadeou uma das piores crises humanitárias do mundo.

Alguns, segundo Doucet, dizem acreditar que o movimento pode fornecer “moedas valiosas de barganha” ao governo Biden para concessões “mas diplomatas ocidentais envolvidos em esforços de longa data para iniciar um processo político para acabar com a guerra destrutiva estão convencidos que isso vai ficar ainda mais difícil.”

O fim da guerra no Iêmen, uma ideia que Obama inicialmente apoiou, será uma prioridade para a equipe de Biden, observou Doucet, portanto, essa decisão de última hora, que entrará em vigor um dia antes da transferência do poder, pode atrapalhar os planos do novo ocupante da Casa Branca.

Related Articles

Pular para a barra de ferramentas