Opinião

Opinião Anápolis: A cidade das falsas promessas

*Vander Lúcio Barbosa (Opinião) – Não seria exagero dizer que Anápolis é uma cidade vítima de falsas promessas. Esta história remonta de anos. Contam alguns historiadores que no final da década de 1960, chegaram a anunciar a construção um autódromo para Anápolis. Escolheram até o local, na saída para Corumbá. Foi aquela festa. Até o fechamento deste artigo, ao que se sabe, nada de autódromo. Certa feita, chegaram a anunciar a implantação de uma siderúrgica no Distrito Agro Industrial de Anápolis. Antes disso, muitas outras promessas foram feitas ao povo anapolino. Depois é que a coisa pegou.

Talvez interessados nos milhares de votos, e se aproveitando da boa fé de nossa gente, os políticos deitam e rolam, quando o assunto é promessa para Anápolis. Obras faraônicas, grandes projetos governamentais, coisas de primeiro mundo. Daí, o tempo passa, as promessas vão caindo no esquecimento, e fica tudo como dantes. Basta dar uma olhada no contexto mais recente. Quantas foram as promessas feitas a Anápolis e, quantas delas, efetivamente se cumpriram?

Sem querer ferir sensibilidades, ou, deixar lideranças em maus lençóis, recorremos à memória dos leitores do CONTEXTO e, estes, verão que não será muito difícil detectar-se a enxurrada de promessas feitas recentemente, muitas delas já descartadas e esquecidas. Enquanto isso, o povo anapolino, coitado, vive na expectativa: Ferrovia Norte Sul (por fim, leiloada, mas…); O Centro de Convenções (inaugurado, mas…); aeroporto de cargas; o asfaltamento de todos os bairros de Anápolis; um viaduto no alto da Avenida Brasil (entrada da Vila Góis); um aeroporto civil operando comercialmente; a reforma de dezenas de praças; um calçadão ligando a Praça Dom Emanuel à Praça Bom Jesus; uma cadeia pública; uma fábrica de aviões poloneses; uma montadora de caminhões ingleses; um mini DAIA; uma fábrica de armas (Caracal); uma faculdade de medicina alternativa com tecnologia chinesa; a transferência da Prefeitura para a Vila Jaiara; o gasoduto Brasil Bolívia, com um ramal em Anápolis; uma sede nova para a Câmara Municipal (?!); anel viário do DAIA; revitalização do Mercado Municipal Carlos de Pina; duplicação da BR 414 (até o trevo da Base Aérea) etc., etc.

Agora, às vésperas de 2020, com a aproximação de mais ano eleitoral, as promessas, certamente, estarão de volta. Com elas, mais algumas doses de engano, de sofismas, de pura embromação e ilusão. Anápolis é, definitivamente, então, “A Cidade das falsas promessas”. Ou não?

Com: portalcontexto.com/portalcontexto.go.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *