AnápolisManchetePolícia

Operação da Polícia Federal mira esquema de pagamento de propinas no DAIA

Polícia Federal investiga pagamento de propinas para viabilizar a compra de terreno no Distrito Agroindustrial de  Anápolis (Daia) por preço abaixo do valor de mercado. Suspeita é de que empresa vencedora de licitação para exploração do Porto Seco de Anápolis tenha cooptado servidores públicos para agirem por seus interesses.

Operação cumpre 14 mandados de busca e apreensão em Goiás, Tocantins, São Paulo e no Distrito Federal na manhã desta terça-feira (24) para aprofundar as investigações.

A Justiça Federal também determinou o bloqueio de valores nas contas dos investigados, além do afastamento de servidores públicos de suas funções.

Os envolvidos responderão pelos crimes de peculato, corrupção ativa e passiva, tráfico de influência e associação criminosa.

Ação da Polícia Federal contra empresa que venceu licitação para explorar o porto seco de Anápolis

Ação da Polícia Federal contra empresa que venceu licitação para explorar o porto seco de Anápolis (Foto: Reprodução – PF)

Porto seco de Anápolis

As investigações apontam que, desde que venceu a licitação promovida pela Receita Federal para exploração do Porto Seco de Anápolis, a empresa passou a enfrentar problemas na fase de habilitação em relação ao terreno apresentado por ela para a construção do Porto Seco de Anápolis.

Para superar essas dificuldades, a empresa contratou lobistas para viabilizar a aquisição de um terreno do Dnit situado no Daia por um preço bem abaixo do valor de mercado.

Preço abaixo do valor de mercado

Ainda segundo a investigação, os lobistas utilizaram-se do pagamento de propina para arregimentar servidores públicos do Dnit, que passaram a cuidar dos interesses da empresa junto à autarquia.

A avaliação do terreno realizada pelos servidores cooptados foi de R$ 11 milhões, bem abaixo do valor de mercado de R$ 44 milhões, conforme perícia realizada pela Polícia Federal.

A investigação contou com a colaboração da Subsecretaria de Conformidade e Integridade do Ministério da Infraestrutura.

Related Articles